Linguagem[+]

sábado, 30 de setembro de 2017

SONETO À PARTE DA SECÇÃO DA SESSÃO DOS CEM SONETOS - O SÉTIMO DA SESSÃO


Hoje, último dia de setembro, mês que abriu a primavera, minha paixão por flores buzinou-me para que homenageasse uma delas específica como símbolo da estação. Veio-me, a rosa-da-manhã alba e sem mácula, orvalhada e exposta aos primeiros raios da aurora. Pensei na rosa rubra oferecida a bem amada na plenitude de minha adolescência, em que senti eternizar-se o momento que ela a tomou à mão, olhou-me com seus olhos negros, alongados e ternos, os baixou à flor e levando-a ao olfato aspirou o aroma doce, enquanto meu coração disparava em ânsias por sua reação culminada em leve beijo sobre minha face, possivelmente encarnada como a rosa rubra, e a latejar perifericamente. Pensei na orquídea, mais precisamente na laelia purpurata, símbolo do Estado de Santa Catarina, e do meu arrebatamento. Imaginei a dália e até mesmo a jurubeba, flor narcótica utilizada pelos habitantes  indígenas que nos precederam na ocupação da ilha que habitamos. Finalmente com um toque longo e um breve, a buzina da paixão minha sinalizou-me à flor augusta da vida, para a qual elaborei um pequeno poema em forma de soneto em sua homenagem.
Caladium (popularmente: tajá, tajurá ou tinhorão) - foto web

AUGUSTA FLOR
Autor: Laerte Tavares

Lascivo caladium em florescência
Voluptuosa, corola labiada
Do gineceu - tu és paixão, amada!
Sonho de luz    tu és concupiscência!

Feito desejo tosco, em sua essência,
O falo ou androceu sem ver mais nada,
Só mira com a paixão exacerbada,
O gozo do prazer. Mas a existência

De um novo ser, quando essa união for
Já consumada, virá sem mais pudor.
Oh cárnea flor que ocultada seduz,

Tu simbolizas a vida e o amor
Qual ser divino que é reprodutor
Augusto e eterno, por em dor, dar luz!



29 comentários:

  1. Olá, Laerte.
    Vim ao seu blog por três motivos: Agradecer sua visita ao blog Ruas e Papéis, agradecer imensamente o lindo poema em prosa que você deixou nos comentários e conhecer o Silo Lírico. Gostei dos seus escritos e comecei a seguir seu blog. Sempre que possível, passarei por aqui para ler as novidades.
    Até breve!

    ResponderExcluir
  2. Metáforas instigantes que revelam o amor e a dor de amar... Belo seu ato à primavera!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, chegou o Outubro acompanhado pelo Outono do amor, sentir o aroma doce das flores e criar belos poemas, foi o caso.
    Bom domingo e semana,
    AG

    ResponderExcluir
  4. Apreciei sobremodo a tua sensibilidade ao mais lindo
    e perfeito
    do reino vegetal...
    O soneto está perfeito, tocante e belíssimo.
    Existe a flor augusta? Penso que te referes às que nós
    chamamos estrelícias ou aves o paraíso... Exuberantes e
    sempre exóticas...
    Um excelente 'post' de boas vindas à Primavera...
    Que te traga muitas felicidades...
    Abraço primaveril... Não faltes à minha festinha!
    ~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  5. Olá Laerte!
    Aí celebram a primavera, aqui estamos no início do outono. Que também tem a sua beleza.
    Gostei da prosa. Gostei do poema. Difícil... mas belo!
    Bom domingo.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. lindo poema Laerte, louvor ao amor e à vida que dai nasce :)
    a vossa primavera é o nosso outono, mas continuamos com tempo de verão
    abraço
    Angela

    ResponderExcluir
  7. Lindíssimo!!!!
    Laerte, surpreendeu-me com um belo poema sobre um dos meus dedais. Fiquei encantada! Acabei de o postar para os leitores se deliciarem com ele.
    Muito obrigada!
    Bom domingo.

    ResponderExcluir
  8. A rosa rubra do amor a inspirar, a rosa da vida que nos abraça. Poesia da flor do amor e da vida.

    Obrigado, Laerte, por mais um belo soneto.

    Um abraço e um bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  9. Muy bonito poema. Gracias y besitos.

    ResponderExcluir
  10. Lindo poema que nos presenteia com tão belo exemplar!bj

    ResponderExcluir
  11. Que é feito de você, menino Silo? Há quanto tempo a gente não se visita! Deu por isso ou não?

    Olha no que deu a entrada da Primavera! Que embaraço da escolha! Que flor escolher? Todo romântico, cheiroso, amoroso, dedicou um soneto mto sensual e algo erótico, à amada, creio, e que finda com o ato de dar à luz. Ah, esse androceu (rs)!

    Um grande abraço, boa semana e um excelente mês de outubro, novembro, dezembro e todos os que virão, logicamente.

    ResponderExcluir
  12. As flores são tão inspiradoras. E este soneto é de uma incrível beleza.
    Uma boa semana.
    beijos.

    ResponderExcluir
  13. Bonito poema, em qualquer estação.

    ResponderExcluir
  14. Um poema lindo como são as flores.

    Feliz primavera, querido.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  15. Oi Laerte! Passando para agradecer e dizer que fiquei muito feliz com a tua visita e teu amável comentário com tão bela mensagem de felicitações e carinho quando da passagem do meu aniversário e dos meus dois filhos. Muito obrigado de coração.

    Quanto ao post, eis que mais uma vez, nos presenteias com mais uma das tuas belas criações. Adorei o soneto.

    Abraços,

    Furtado

    ResponderExcluir
  16. Mmmmm, que beleza!
    Quero uma destas pra mim.
    A flor, porque a poesia já tenho.
    Roubei.

    Abraço
    Lola

    ResponderExcluir
  17. Boa noite Laerte
    A natureza merece odes e agradecimentos, por ser a mais bela obra que Deus nos deu...e sabes cantar à ela com maestria e doçura. Que ela continue te inspirando esses preciosos versos, em todas as estações, e que sua ilha paradisíaca exale na primavera os mais doces perfumes para embalar seu amor.
    Um grande abraço, agradecendo a sua presença com versos que sempre tocam nosso coração.
    Dos amigos da Esquina
    Bíndi e Ghost

    ResponderExcluir
  18. Em Macau vivemos a estação mais agradável (temperatura e humidade) do ano - o Outono.
    Aquele abraço

    ResponderExcluir
  19. Laerte, muito obrigada pela sua mensagem. Já corrigi no blogue o poema. Grata pelo seu cuidado. O 2º poema que deixou é outra maravilha e hei de o colocar no próximo posto.
    Abraço grande.

    ResponderExcluir
  20. Um belíssimo texto em prosa, que nos prepara para a leitura de um soberbo soneto.
    Gostei imenso, parabéns por tanto talento literário.
    Continuação de boa semana, caro Laerte.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  21. Antes de mais, obrigada pela visita no meu cantinho. Sim a querida Leninha foi uma amiga comum, porque vi alguns comentários seus, no blog dela. Uma perda grande e muito sentida.

    Agora este poema; belo e muito bem construído, com uma harmonia simples mas intensa. Gostei muito Laerte. Voltarei com alegria.
    Abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  22. Gostei muito da memória da rosa, ligada à sua adolescência. O soneto está muito bonito!

    Bom fim-de-semana!

    ResponderExcluir
  23. Caro Laerte,
    No seu comentário no meu blogue referia-se à frase "No primeiro filme, passado em 2019 (...)"? Se assim for, 2019 é mesmo o ano correto, porque é o ano da história do primeiro filme. No entanto, não entendi se era a isto que se referia...

    ResponderExcluir
  24. "Para que serve o tempo em sua inexorabilidade
    Mais fria que a lâmina do punhal assassino erguido" Verdade! Para que serve grande poeta Laerte! Vim agradecer sua visita e dizer-lhe que serás sempre bem vindo. Obrigada! Parabéns, lindos poemas escritos com muito discernimento poético.Abraços

    ResponderExcluir
  25. 20 de outubro dia do Poeta.
    Querido Poeta, que jesus te iluminando e que você continue nos encantando com suas lindas poesias.
    Já dizia os poetas:
    “Ser poeta é fazer de cada despedida uma saudade
    É ter nas mãos os sonhos, vivê-los de verdade
    Chorar, sorrir, sem medo de viver...”

    “Poeta para ter o dom...
    Das palavras...
    Palavras de ternura... de carinho...
    E poder encher...
    nossos coração com amor
    Escrevendo seus lindos versos e poesias”.

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  26. Celebrando a vida na beleza de Augusta Flor. Um poema com um toque divino.

    Beijinho, Laerte.

    ResponderExcluir